Search
Close this search box.

.

Em álbum de estreia, Joyce Alane expõe fragilidades superadas após terapia

Pedro Cunha
Especial para o Giro

Primeiro álbum de Joyce Alane tem 11 faixas autorais – Foto: Lara Valença/Divulgação

Joyce Alane colocou para fora medos, inseguranças e sentimentos de culpa no seu primeiro álbum de estúdio, Tudo é Minha Culpa, lançado nesta sexta-feira (24) nas plataformas digitais. São 11 faixas autorais, com participações especiais de Priscila Senna e ÀTTØØXXÁ, que narram momentos amorosos da vida da artista. Fragilidades superadas que agora vieram à tona ao público após muitas sessões de terapia.

“É um álbum muito pessoal, espelha o que eu passei e fala sobre momentos com diferentes etapas, como quando me senti mal, desejei voltar e de quando eu entendi que a culpa não era exclusivamente minha”, conta Joyce em entrevista ao Giro. “Eu tenho grandes expectativas com esse trabalho, porque acho que as pessoas também precisam mostrar sua fragilidade”.

O single Eu Não Tô Bem é a primeira faixa do álbum e também a primeira culpa: a consigo mesma. Afetando a vida profissional mas também a pessoal, a música dá início à história de um término de relacionamento, escancarando o quanto o bem estar individual interfere nas relações. Em Golpe Baixo, Joyce conta sobre um término de namoro, em que a confiança de se mostrar como se é e dividir confidências para uma determinada pessoa, se transforma em medo de se abrir para outros possíveis amores.

O brega recifense também dá as caras no álbum, numa parceria com a cantora Priscila Senna. “Temos que abraçar os estilos musicais do Brasil, os mais diversos. Coloquei um pagodão baiano e tinha que colocar o brega porque eu comecei assim. Eu senti que Priscila seria essencial nessa canção”, fala Joyce.

Da web aos palcos

Nascida no Recife e criada em Moreno, na Região Metropolitana, ela faz parte da nova cena musical brasileira que mescla referências do pop atual e caminhos que os gigantes da MPB trilharam. A artista ficou conhecida durante a pandemia, ao fazer cover de Dizem Que Sou Louca, brega pernambucano da banda Kitara. Depois daí, viu suas redes ferverem.

De lá para cá, Joyce, com 26 anos, vem colecionando feitos históricos. É dona dos hits Elefante da Sala, Leão e Pausa e teve a oportunidade de gravar sua composição Idiota Raiz (Deixa Ir) com o também pernambucano João Gomes. O sucesso, que conquistou o público, projetou a artista para o cenário musical nacional, com direito a indicação à categoria inédita do Prêmio Multishow 2023.

Compartilhe :
Twitter
LinkedIn
Facebook
WhatsApp
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE

Em álbum de estreia, Joyce Alane expõe fragilidades superadas após terapia